Rádio Reloj em directo

.arquivos

. Agosto 2006

.links

Terça-feira, 1 de Agosto de 2006

O definhar da economia cubana

A partir de 1986 acenderam-se as luzes de alarme na economia cubana. O país era incapaz de amortizar a dívida externa, colheitas desastrosas, restrições nos combustíveis, alimentos e outros produtos de primeira necessidade fragilizaram o dia a dia dos cubanos.

A crise afectou algumas áreas que sofreram um maior desenvolvimento com a Revolução, como foram os casos do sistema educativo e sanitário. O que foi conseguido, as melhorias significativas que foram conquistadas,ameaçavam ruir e acordar a consequente vaga de contestação e distúrbios.

É neste contexto que em 1989 são celebrados os 30 anos da Revolução e que Castro projecta o slogan «socialismo o muerte».

Em 1991 o IV Congresso do PCC estudou a situação económica crítica e tomou várias decisões: foi ratificado o sistema de partido único, aceitou o ingresso no partido de crentes religiosos, alteração na Constituição para a eleição directa dos membros da Assembleia Nacional e definiu os próximo tempos como um «período especial en tiempos de paz».

Esta expressão aludia à emergência económica e estabelecia uma série de disposições para ser superada. Tanto a nível individual (fontes de energia e transportes alternativos, como as bicicletas e tracção animal), como do governo (introdução de reformas estruturais, plano alimentar para garantir a auto-suficiência e racionamento de todo o tipo de produtos).

Entre 1992 e 1995 foram desencadeadas iniciativas que passaram pela criação de «joint ventures»; privatização de algumas empresas e bancos; flexibilização do comércio externo e atracção do investimento estrangeiro.

O dólar passou a ser usado como moeda, acabando com um mercado negro que beneficiava apenas alguns. Além destas medidas, a partir de 1996 a face mais crítica da crise foi ultrapassada com boas colheitas da cana de açúcar, o desenvolvimento de uma indústria farmacêutica, exportações de níquel e o aumento da industria de turismo.

publicado por Equipa SAPO às 16:59
link do post | favorito
De Anónimo a 27 de Janeiro de 2009 às 23:44
Realmente o embargo norte americano foi uma tragedia para cuba, porque não se voltaram para o mexico venezuela argentina , não o dolar é que é a moeda forte ,sendo assim era muito mais facil levantar a economia , como ainda hoje o dolar é a moeda corrente . Se cuba hoje é pobre se não fosse o dolar então não sei como aquele povo viveria .Todos elogiam o Fidel ,ele fez uma revolução mas descontrolou-se , o seu ideal era mesmo a ditadura, Depois os assassinatos ,violações desaparecimentos,privatizações,prisões e fome, por sorte o clima é quente, se fosse frio os habitantes morriam gelados.Não vale a pena muitos comenários, só quem conhece é que pode avaliar a miseria que lá se vive.Cuba não é so Varadero, Havana, os restaurantes taberna del medio, floridita e os caios á muito mais que isso, vão para o interior ver como se vive . já li varios comentários e muitos deles são reais outros só falam no el comandante viva a revolução no socialismo , isso não é a realidade ,esta realidade só vista, cuba livre gostava muito e são os meus votos
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 


Últimas notícias sobre Cuba
Últimas referências em blogs sobre Cuba
pesquisa por "cuba" no Tags Sapo

.tags

. açucar

. áfrica

. américa

. angola

. balseros

. cardona

. carter

. carvalhas

. castro

. che

. cienfuegos

. comandante

. congresso

. cuba

. diplomacia

. economia

. etiopia

. eua

. fidel

. gaitán

. granma

. guerrilheiro

. havana

. hubert

. iberoamericana

. líder

. marquez

. matos

. moscovo

. oea

. onu

. opep

. oposição

. oswaldo paya

. pcc

. portugal

. ppc

. prec

. projecto varela

. raul

. reagen

. rebelde

. roque

. rosa coutinho

. santiago

. saramago

. sucessão

. urss

. vasco gonçalves

. todas as tags

.participar

. participe neste blog

.subscrever feeds